Roger Waters, sempre direto em seus comentários, compartilhou sua visão sobre seus ex-companheiros de banda do Pink Floyd, referindo-se a eles como “arrogantes e rudes”.

Em uma entrevista postada no podcast WTF para Marc Maron, ele sugeriu que a sua separação do grupo em 1985 foi crítica para o desenvolvimento de sua carreira solo. “Foi muito importante eu ter fugido do grupo naquela época”, disse Waters.

Comentários feitos para Waters pelos outros integrantes da banda como “você é surdo para tons” e “não entende de música” eram comuns na época, acrescentou. “Eu estava em um ambiente muito tóxico, onde estava perto de algumas pessoas, David [Gilmour] e Rick [Wright] principalmente estavam sempre tentando me arrastar para baixo. Eles estavam sempre tentando me derrubar. ”

Discussões contínuas entre os membros do Pink Floyd parecem ter eliminado qualquer possibilidade de outro reencontro. “Ele seguiu seu curso, terminamos” e “Eu sou totalmente a favor de Roger fazer o que ele quiser e se divertir.”, foram frases ditas por Gilmour à Guitar Player no início deste ano. 

Mais recentemente, Waters e Gilmour discordaram sobre o material a ser incluído na tão esperada reedição de Animals de 1977. “Bem, um adorável remix do Animals foi feito, mas alguém tentou forçar algumas notas do encarte que eu não aprovei e um alguém está se esforçando para não permitir que seja lançado”, disse Gilmour à Rolling Stones em junho.

Enquanto isso, uma nova versão remixada de A Momentary Lapse of Reason, o primeiro álbum do Pink Floyd gravado sem Waters, será lançada em 29 de outubro.

Apesar das brigas atuais, Waters diz que reconhece que a música que o Pink Floyd criou juntos continua sendo uma conquista impressionante. “Aqueles anos em que estivemos juntos, apesar dos problemas sociais, não há dúvida de que fizemos um trabalho muito bom como banda”, disse ele a Maron. “Não compartilhamos a visão, mas compartilhamos o trabalho.”